in

AÇÚCAR E AFETO PRO CHICO E PRAS FEMINISTAS

AVvXsEi28nVQIqRTKD67C7SCk9ipCxWJwa Zzn9bYuVI tANJ397 70lqbr0oDx6qJ61s6ek9aRCJLWb3GW654Ty7aO rBY66hbLQ38atOaL29wN04doCnyrBvbCkhaS7c72aeAC6iObKdvl8PWvMAnLi4tlNGpj3qRXGjQp9zKAHHLqGCiwuaPioGPp9T6TjA=w320 h210
Foto de Leo Aversa pro Globo, 2004

Ontem saiu uma matéria no site Metrópoles dizendo que Chico Buarque não irá mais cantar “Com açúcar, com afeto “. A segunda linha trazia a informação “A razão são as críticas do movimento feminista ao teor machista da letra”. 

AVvXsEjznh1HVqe1 7ZVB8BVQ DBnorufCWP1LiQ9zqQ8nHX7TuClUuERHI1GzRs6E5A8tq3lGF5mUX1c2fLl chvAg55 YiVI8d43bmbXBCT9mkXFhQlUOEkwB632aCmXn9TI mxsPYFBbsmOxh5cumChukoKYzkukogj8IWE01 LAKWayV8nwMXk1HYQA0Pg=w171 h200
Tinha um link embaixo das palavras “movimento feminista”, então qual foi a primeira coisa que fiz, antes mesmo de ler o resto da matéria? Cliquei lá. Queria muito saber quem era esse tal movimento feminista (que é tão plural) que considera a letra machista. Seria um grupo que fez um abaixo-assinado explicando os motivos? Algumas feministas que haviam se manifestado individualmente? Quais? Onde? Quando? 

Pois bem. Veja o que aparece quando você clica no link do “movimento feminista”: 

AVvXsEgB8o7WbmGe7XHzsHswahwAFtGMPSADFlGqplLjMaXIsrpGsC2v0aaf jaANzaJL Drqd6p 7 NK5JSowrlPLQQDVTBrz9jHWLsgScErikBQR VFLnVWmLNPpnhBu6Uo55O7gQYxa8Hv7SviiniV jReuPQ02W3B7OaADsqrNfuG6j6nfSK8T OuukXow=w320 h154

“Foi mal! Não achamos essa página”. E eu fiquei sem resposta às minhas perguntas. 

AVvXsEiZBNchef23MoTy65xWtlpIRWNiwIw7V6UoqCaIOLl0YE228QbKezPayfzv3WOlj Kd 6N7abOtVqYky0efW ku0knFugs5fOkLcqIQJC7z91KUNcDXq WGuoaaYnW3iGa2B63q8kGuwm4cTQ FGG nqQiJGCErThf6QBD6UXFJhlNNsps0cJy dDmZQQ=w200 h169
Pelo jeito eu fui uma das poucas a ter essas dúvidas, já que o link nunca funcionou. E assim, sei que não é todo mundo que desconfia de afirmativas dobre o “movimento feminista”, mas você não fica nem com uma pulguinha atrás da orelha quando lê algo tão genérico sobre o movimento feminista? 

AVvXsEi v7mn4ThGsVDv LbaEJxRLDrH55CcNFx6NE VIvlJyyUzh8O87ixBr2yINfhgz7Ami3SSieaGWH6fV2xnZo5Ii1FQ54qBHB4Ye2B8AFqenT5 VyHvxjlHz iw6iw1qdCo 6syZ fIggCT xcG0mBOZBnN OfPTZiUhuSMhWhrPAocSXcvbbLJJYnw
Uma velha tática machista é criar falsas polêmicas em nome do feminismo para deslegitimar os feminismos. Uns anos atrás circulou um texto sobre coisas ultrajantes ditas por uma feminista no programa do Jô Soares. Não me lembro o que ela falava nem o nome dela. O fato é que ela não existia. Haviam inventado uma personagem que seria uma famosa feminista brasileira pra falar altas bobagens. Não há qualquer registro nem da existência dessa feminista, nem do que ela falou, nem de um programa do Jô com ela.

AVvXsEjRxHnOk HN3Kkd2svLwEW6eWCna7Jj3R SrFoTmVpdwinwCoqrVzLueEy1BR0bI4QCKwWkdn9Q7Z8mSA3Lb3uDXOOzTon4DrgUqOHNFPJaIa4iBRuX4B7hEyB9px8CsN65xUibZQ1dmOXjcxqdtACYSXsQCt4wHRk4bazKMDaCGddY88UCoF8EfAcKpw=w200 h133
Mascus adoram fazer isso. Lembro quando eles criaram um ato em que feministas iam à praia sem absorvente, com o sangue escorrendo pelas suas pernas, e como, segundo esse grupo feminista, todas as mulheres deveriam fazer o mesmo. Tudo mentira. Mas um monte de gente espalhou o texto, sempre com o propósito de provar como feminista é maluca.

AVvXsEiRmBlH90rDvAXpph1nxI2T7aDNmFckWX EoBJWfDjJg 5cSeOlZ f5JVuIosZmDEOm4TInjWO7S4Qlkd b 4NKp5zodd5L dBEFmxhLQzaRafFs9QeJLTvjP6eQLMRyFwrC6KsMQ8lvVv2yAcj9eqabHbqZTpGb7m SS7g8ZF9Wgqhq IkyH cNeki6Q=w200 h112
Não estou dizendo que a matéria do Metrópoles seguiu esse roteiro. Ela é assinada por Guilherme Amado, um jornalista sério que eu admiro. E ela dá outros detalhes: Chico anunciou essa decisão na série O canto livre de Nara Leão, em que ele narra que a canção de 1967 foi encomendada por Nara, que pediu uma música de uma mulher sofredora. (Só que faltou dizer que Chico não canta a música há quase 40 anos . Não foi algo que ele decidiu anteontem. Foi até antes da internet! ).

AVvXsEgvy2D82cYLuJN5VvDqnJjfRn5hBtdHG RSPm4pk6Ec5N c13lWvOpuaVRlfW oyrQlgNG7qFmoJ1yQUDEtXeVAXsSPydiXTqcRa2u8jIDwU080bEwndys2kWz1byDMCN2Nh96WETBrM2oWOzBsToMzW8TbfEzhzj2Nb y2Ceh86V5ueuOUJV6UrGnx0w=w142 h200
Chico foi procurado pela reportagem mas não quis comentar quando tomou essa decisão e se ela envolveria outras de suas músicas. O que sabemos é o que ele diz na série: “Eu gostei de fazer [a canção]. A gente não tinha esse problema. É justo que haja, as feministas têm razão, vou sempre dar razão às feministas, mas elas precisam compreender que naquela época não existia, não passava pela cabeça da gente que isso era uma opressão, que a mulher não precisa ser tratada assim. Elas têm razão. Eu não vou cantar ‘Com Açúcar com Afeto’ mais e, se a Nara estivesse aqui, ela não cantaria, certamente”. 

AVvXsEhHcnfsyBPB8wLOJpzaCjYKCeFi9cW ACKgSKxye9xJBTsgeLvweYMJ3dHZoOCUNYDe28IPi8frDIFNyEB7O44plJdXsVCrvrIP63whfKEVcYGwk 4T xZV4MYUuUABTiF2xe7zThgci0ygAQDNTWD7IkYN5Nn3VxSkbA QknZFxBuT3iqKgzVjWMOsBg=w148 h200
Bom, eu sou feminista desde os 8 anos de idade, sou autora de um dos maiores blogs feministas do país (esta semana completa 14 anos), e sempre adorei “Com Açúcar, com Afeto “. Sempre cantarolei e não pretendo parar. Pra mim a música nunca foi machista. É uma denúncia a uma situação machista que, infelizmente, não ficou no passado. Muitas mulheres hoje ainda vivem a submissão daquela mulher da música. Muito menos mulheres hoje que há 54 anos, ainda bem. Graças a nós e a nossa luta.

AVvXsEgbQaMpRp7s7MiFDShonc4eoqOzj2Sxi0l5k y1 B9d0fjYJR9X6k0Vw8ni5W47Jd3rrUDEqGTinDNbjLwx B5g2qvZo8UpvfZAOiWpMmMRBMb rUi5mNl5eGTujhhX1ljwQ9iklphDQU8SSHaHqQ yq0e2iZMEuSBQ5hhOJbtaJBVvpY2YPgb4reYzAg=w200 h155
Na canção temos uma mulher, o eu-lírico, narrando a sua experiência. Livros, filmes, peças, poemas, histórias em quadrinho, canções — todas as obras podem incluir personagens machistas, racistas, LGBTfóbicos, capacitistas, etaristas, gordofóbicos etc. Seria até estranho se não incluíssem, já que nosso mundo está cheio de gente assim. E essas personagens podem ser protagonistas dessas obras. Podem ser narradoras. Criar um personagem preconceituoso não faz com que a obra ou o autor seja automaticamente preconceituoso.

AVvXsEj Qg2shYSnPoXjpJovmXED4Y vKkKLHOKLDEFjzfo 51IVnplZiFIi4J 1G cMJb1fqbJ659Kya44WJn1CZoIHH5hHrNHS1e2SGJ9fzrF4DZ OvkMEYmGYpx6jSatms6wOjv YmZFeGTJjAgkxkkJB5YOiBs6tYeNf6sAWR80CphFgpaQxYl0jRIsjg=w200 h195
E nem toda obra precisa ser empoderadora pra ser feminista. Alertar sobre opressão também é feminismo. Já vi feminista americana dizendo que o grande filme Thelma e Louise não é feminista porque não tem final feliz. Ué, isso importa? Toda a jornada e transformação daquelas duas personagens, a sororidade que formam entre elas, a libertação e o primeiro orgasmo de Thelma — nada disso é válido? Mas perceba que é possível discordar de feministas sem atacá-las, sem chamá-las de lacradoras ou censoras ou, citando “Com Açúcar, com afeto”, sei lá o quê.  

AVvXsEhqVxcoGBon zFyIZu6WhGrDyCCqL qfI3g8LldXl6RskIqXwcewhrzsvoAaPw2m17Xgg1hMZP UhhPhxKhnsSj6reDCMOHb o6jaubCBnEv2fmh75z f72sV2Meq2 qT BQxCu7fv8hUxwatD4fXq5MxvePfHYLM3j5F2IU lap2qFDj5rwi3NLnLmg=w174 h200
Mas olha só, quando você ouve/lê a explicação do Chico pra não cantar mais a música, no que você pensa que aconteceu para que ele tomasse essa decisão? 1) Uma horda de feministas enfurecidas ameaçaram boicotá-lo, cancelá-lo, deixar de amá-lo (posso dizer sem medo de errar que a maior parte das feministas somos apaixonadas pelo Chico), se ele não jogasse a canção no lixo? 2) Uma feminista mandou pro Chico um email com a foto de sua pistola calibre 45 e a mensagem “Cante essa música mais uma vez e você vai ver o que é bom pra tosse, seu comunista safado”? 3) Terríveis feministas peludas e bigodudas fizeram piquete em frente ao estúdio e foram a um show com cartazes de “Meu Açúcar, Meu Afeto”? ou 4) Ao longo dos anos, uma ou outra amiga feminista do Chico chegou pra ele e disse “Vem cá, você não acha que essa música tá um pouco datada?” 

AVvXsEh8uIHKs5ZkKDp7IZ4ondaC6ji3BFhctJhGX KiLbu S68KVrcaAtxT0 tqUwVU0EOgS6hUH3Ijh5F vDZs6KkZE wOXSFCgvSn7kzym1xaTiyIoit279ko0OqNRqgLWKfaT elySqvf87UGXJNAC5Nf8xFT5ndl7FHd JVjnY6gUMR8VkV 4ipKwCFQ
Minha aposta é a alternativa 4. Então por que tanta gente tá reagindo xingando feministas? O PCO (Partido da Causa Operária), por exemplo, que há anos decidiu que o maior problema da esquerda, e quiçá do Brasil e do mundo, é o identitarismo, falou que as feministas finalmente conseguiram algo que nem a ditadura militar conseguiu: censurar o Chico! Uau, como essas feministas malvadas são poderosas! 

AVvXsEjKdnmerZuFqiBKmt167 dGV2IAHCuadnmpcpLJuORJIpAsv0VJeg6BPnDR8K3GSLvCyIzqCxSH80vc3B6o0hrZpDKS8oPR5tM1 LvGA5dYpDcz634pUsEifWAhTGwYDttQ6K9h SWKN4zOoO2uNqTY2Bl5K JZVIZJDxBD JD8XHI6hKt8sVDQRth5cw=w151 h200
Na minha timeline, várias mulheres, imagino que muitas feministas, vieram manifestar sua revolta contra… as feministas. Uma disse que continuaria cantando “Com Açúcar, com Afeto” a plenos pulmões e mandou as feministas tomarem banho. (Dica: geralmente nos mandam lavar louça). Quem tá te impedindo de cantar, moça? Outra disse que daqui a pouco vamos querer cancelar “Mulheres de Atenas” e “Geni” (acho que não: a primeira é claramente irônica, e o alvo da segunda é quem joga pedra na Geni, nunca Geni). Outra disse que sempre se sentiu incomodada com essa música (arte também é feita pra incomodar). 

AVvXsEjCkZAh2xepuZwdx26dB2uRFmtRku1kTD29vvO1SeL9Pqminjxo5b6FK4PrQwT4GLg j972zB xLtxS7bLmOVn AQRKXHuqp63xtcENHh2pAsqfhFPD2VMe3EJ4 NYtru2JO5ig5oKY VgF PvVe4o6f9xBrp50Re1v4pHtoJ0O3Cg2m3tlqsBVQK6ipA=w190 h200
Outra disse: a gente vivendo o inferno de um governo fascista, com eleições pra este ano, e as feministas preocupadas com uma música?! Pois é, eu realmente duvido que muitas feministas estejam prontas pra pegar em armas por conta de uma canção de meio século atrás. Mas eu também posso perguntar: a gente vivendo o inferno de um governo fascista, com eleições pra este ano, e o pessoal descendo a lenha nas feministas, nos identitários? Será que esse pessoal não têm nada mais útil pra fazer não?

AVvXsEgX2zBXU1pSs1Qf8HKdiCYapSdw69qFYqXpBSPS K3PKjhUNy4ZD5OFXF lQmkPDHTvKY41V1EidZ g7VN0 HWl0Qyg7ezIOW5p4qvYbqlyAbyl9u3rceLXc7y bNpr 49kxGsqo9muxtK1UBlfuBFnKA9IBALXXxiX6y1ZQVYp1trNDOEy0X1F96Y4tA=w177 h200
O fato é que um cantor decidir não cantar mais uma música não é censura. Sting, outro divino e maravilhoso que sempre esteve ligado a causas progressistas, já contou como ficou horrorizado ao ver que a canção mais popular do Police, “Every breath you take ” — a história de um stalker obsessivamente vigiando alguém, provavelmente sua ex –, era vista por muitos como uma canção romântica, tocada em casamentos. Sting não parou de cantar a música porque ela representa um quarto de toda sua renda . Mas ele mesmo a problematizou! Ele está lacrando? Censurando sua própria música? (aliás, dá pra problematizar uma obra e continuar adorando? Depende de cada um. Pra mim dá). 

AVvXsEh8H0k33CT6msbmR0PbQDgVQFiC3N8bo0Ddxp 6MLaXzpnuxVXCbzclXyljQL laEnVnVFzev44R9 GSl9Hlz6nAQWssujDThnxN7qi4oehjXOVQL0WuwuKEjy9 obaJrRbUNE Fdoj4D8GWqo ReTw0pz0n1mFpSKF0E0F7 ZxbAjigpEh lmsbSUv2Q=w144 h200
Teve gente que me informou que Madonna parou de cantar “Material Girl”. Não sei. Sei que o Frank Sinatra detestava de coração “My Way “, que é tipo a canção favorita de quase todo machista (ou, vamos dizer assim, o hino tocado no velório de tantos avôs ). Ele achava que a música não o representava, embora tenha sido adaptada do francês pra ele, e também não aguentava mais cantá-la em cada show em Las Vegas (eu gosto da música, mas cada vez que a ouço, mais penso que ela é irônica, porque não é possível. A parte “devo dizer, não de um jeito tímido” a entrega). Sinatra não pôde deixá-la de lado porque seu público a exigia. Era lucrativa demais pra ser escamoteada.

AVvXsEhyYR o5veymHZwzEirGeG 4FA7RFVR9IbWSdKHgR5Yh qSJdHwzPFW7 PZ19dwx WHyQ FvC5XvRgM0jmCDhApICN1cq7qxyhujlGb7FbY4Vl8a9Bn5Cr bgPJ tpDStRfUARguv13JZUCZON9lh9P3tARa epP8oonZCWie2 AjeU 5SvsYbkWXBCHA=w151 h200
Pra ser sincera, eu nem vi feministas problematizando “Com Açúcar, com afeto”. O que vi foi o pessoal problematizando o identitarismo em geral e as feministas em particular. Vi gente confundindo a decisão pessoal de um grande artista com censura. Chico tem quase 500 magníficas composições no seu repertório. Ele não tem como cantar todas as 500 em cada show. Escolhe as que quer. Nenhuma vai sumir do catálogo. É fácil encontrar qualquer uma no YouTube.

AVvXsEidTQnoc7xJD7QHlXmhUZPQxrZJ5JTSdiuuRAbzPksDPvsdNIQQR0OocAMh0JTUmeDOSXKTUhXghnVAKXSEosNcB5s t2E1tZTDDmI28UokzV6JYRnzFwV15bL7f0GR0zSMmE24QSFn569h3spKC xoVU ZbEEt8qz7eFvsLNGxK faKtkEc4ezHuiR3g=w200 h157
Existe um termo, snowflake (floco de neve, ou floquinho de neve especial), usado pejorativamente pra classificar gente sensível demais, que se ofende com facilidade (ou seja, pra xingar uma geração ou os identitários). Mas quem critica identitários também parece ser sensível demais, não? Afinal, basta alguém problematizar uma obra que os caras já gritam que é censura, cancelamento, linchamento, lacração! Problematizar, criticar, apontar os preconceitos de uma obra não é censura. Censura é proibir a obra. Ah, censura é também proibir a crítica à obra!

AVvXsEgKJRGUGNwYkUEsG993EwaXTCQ5dfUPpG98HIC3Xru oGw7HVD 5UoKOPb 4mK9yXIQUnDiUVMJoaX2yW4ETUmMV63DyHG6RqRbZfEAtLVeIyEmItIWCgfkxB8ZyC999tnBcyHRup4ztQL7Ja5aCPW2nUHNoTBA20FNd2ZTCzA4rzT2iP851LxOceID2A=w200 h113

Bom, Chico, agradeço a confiança nas feministas. Por mim, você pode cantar “Com Açúcar, com Afeto” até o final de sua vida, que espero que seja eterna. E se precisar de alguém pra formar um dueto, tamos aqui pra isso. 

O post “AÇÚCAR E AFETO PRO CHICO E PRAS FEMINISTAS” foi publicado em 27th January 2022 e pode ser visto originalmente na fonte Escreva Lola Escreva

O que achou disto?

Batalhão da Polícia Militar realiza 1º Encontro de Carros Antigos neste sábado

Registrados 515 casos e 4 óbitos por Covid-19 em apenas 2 dias